Depois de uma vida toda dedicada ao trabalho, nada mais justo do que uma aposentadoria que garanta tranquilidade e segurança, não é mesmo? Daí a importância do planejamento previdenciário. Ocorre que a maioria das pessoas só se preocupa com a aposentadoria pouco tempo antes de se aposentar. É aí que está o erro.

É importante que esse planejamento – como o próprio nome já diz – seja feito com antecedência para evitar surpresas desagradáveis. Pensando nisso, preparamos o presente artigo sobre a importância de se planejar antes de se aposentar e dicas de como fazê-lo. Confira!

Por que fazer um planejamento previdenciário?

O planejamento previdenciário é importante tanto para os contribuintes do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) quanto para os profissionais liberais — como é o caso de muitos advogados —, que recolhem aposentadoria privada.

Diante disso, separamos aqui algumas razões pelas quais você deve começar a se preparar para essa fase da sua vida agora mesmo. Veja:

  • manter fonte de renda: esse é um dos principais motivos para se planejar a aposentadoria. Afinal, a tranquilidade do recebimento de uma renda mensal vai depender do tempo e do valor das contribuições do período de atividade;
  • garantir a melhor aposentadoria: a melhor alternativa para sua aposentadoria não necessariamente será a melhor opção para seu colega. Nesse sentido, é importante investir no seu caso específico para escolher a melhor opção;
  • contribuir com o valor correto: o benefício será calculado com base em 80% das contribuições do segurado. Assim, um bom planejamento evitará que o contribuinte pague mais do que deve, sem ter qualquer retorno sobre esse valor;
  • evitar prejuízos com aposentadoria antes do tempo: a aposentadoria antes do atendimento a todos os requisitos implicará perda financeira, seja pela negativa do pedido de aposentadoria, seja pelo recebimento de um menor valor do benefício;
  • evitar prejuízos com aposentadoria depois do tempo: trabalhar mais tempo do que o necessário também resultará em prejuízo financeiro, uma vez que não haverá recolhimento do período excedente trabalhado.

Como fazer o planejamento previdenciário corretamente?

Como falamos no início do post, um bom planejamento previdenciário evitará frustrações e permitirá que você escolha a opção que melhor se adapte a seu tempo e regime de contribuição.

Veja, a seguir, dicas de como fazer esse planejamento:

Levantamento do tempo de contribuição

Para obter informações sobre tempo de contribuição, basta que o contribuinte requeira o extrato CNIS (Extrato de vínculos e contribuições à Previdência) ao INSS.

No entanto, é possível que o relatório apresente falhas e omita determinados períodos de contribuição. Assim, é importante conferir minuciosamente os dados do relatório com as informações da Carteira de Trabalho e carnês de contribuição, a fim de evitar prejuízos.

Os profissionais autônomos, por sua vez, deverão reunir documentação relativa ao seu tempo e valor de contribuição, seja ela privada, pública ou a combinação de ambas, se for o caso.

Cálculo do valor aproximado

O valor a ser recebido será calculado sobre 80% dos maiores salários, enquanto os 20% restantes são descartados. Desse modo, o benefício será o resultado da média de 80% das contribuições.

Quando o contribuinte tiver direito à aposentadoria integral, o benefício será do mesmo valor que o último salário recebido. No caso dos profissionais autônomos, o benefício a ser recebido vai variar de acordo com o plano de previdência privada contratado.

Cálculo do fator previdenciário

O fator previdenciário é uma fórmula matemática que incide sobre o cálculo da aposentadoria por tempo de contribuição e idade. Esse mecanismo visa impedir que as pessoas se aposentem muito cedo.

Esse fator, que está disponível no site do INSS, baseia-se em:

  • idade do trabalhador;
  • tempo de contribuição;
  • alíquota de contribuição;
  • expectativa de vida do contribuinte

Diagnóstico previdenciário

O conhecimento sobre o valor estimado da aposentadoria é estratégico para que o contribuinte possa se planejar para aumentá-lo a partir das novas contribuições.  A atenção deve ser redobrada no caso de pessoas que trabalharam em vários lugares ao mesmo tempo ou, ainda, no caso daquelas que pagaram INSS separadamente.

Então, o que achou do post? Agora que você já sabe como fazer um bom planejamento previdenciário, que tal ajudar seus colegas compartilhando este texto nas suas redes sociais?

 

Compartilhar noticia