Dos benefícios previdenciários no Brasil mais atacados, com mais inversões de valores, mentiras legais e exageros emocionais, sem embasamento algum com a realidade é o auxílio-reclusão, benefício previsto constitucionalmente (artigo 201, IV).

Vamos enumerar algumas dessas faltas que insistem em propagar, quer em artigos, mídias, teses, achismos etc:

O auxilio reclusão benefício é para os dependentes do preso e não para o mesmo. Artigo 201, IV da Constituição Brasileira e Inscritos no artigo 16 da Lei 8.213/91, Valor de R$ 1.089,72 (um mil e oitenta e nove reais e setenta e dois centavos) – 2015, o valor acima (e quaisquer outros que circulam pela internet) refere-se ao salário-de-contribuição máximo, que o preso recebeu por último, afim dos dependentes terem direito ao benefício. O valor é calculado pela média simples dos 80% maiores salários, desde julho/1994, conforme Lei 9.876/99.

Segundo estatísticas do INSS, a quantidade de benefícios de auxílio-reclusão, pelo total de benefícios do país, está na proporção de 565 -quinhentos e sessenta e cinco para um ou seja, menos de meio por cento (dados de 2013).

E em relação ao total de presos no Brasil, corresponde a menos de 10% do total.

O custo médio/mensal de um preso no país (levando-se por base presídios federais), gira em torno de R$ 3.000 – três mil reais e não se gera comoção alguma a respeito, quanto faz ao benefício previdenciário em comento.

Compartilhar noticia